segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Decepção dói, mas passa!


Tem coisa que dói, e dói muito! Hoje estou assim, novamente sentindo uma dor daquelas. Acontece que as pessoas não percebem que nos causam essas dores e isso parece-me o que causa mais dor.
Faço sempre um exercício que aprendi muito cedo: colocar-me no lugar do outro. Muitas pessoas dizem fazer o mesmo mas costumam dizer: mas se eu fosse ela, não teria feito assim, teria feito assado!
Isso não é colocar-se no lugar do outro. O que procuro fazer (embora não seja fácil) é imaginar os motivos que levaram as pessoas a tomar aquele caminho. Constantemente me relembro de que uma história sempre tem dois lados e que, quase sempre, os dois estão certos. Nunca tomo partidos em separações de casais, brigas de amigos, etc. Afinal, como diz a música “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”.
A minha dor é essa. Às vezes sinto que as pessoas, embora queiram que eu as entenda, não fazem o menor esforço para me entender. As atitudes são interpretadas, ações julgadas, a ré condenada. Só fica faltando comunicar a sentença. Pois, por favor me comuniquem pois é complicado andar por aí sem tomar conhecimento de um mandato de prisão. A defesa parece ao mesmo tempo desnecessária (uma vez que ninguém a procura) e inútil, visto que todos parecem já ter certeza de minha culpabilidade.
Espero que ninguém vista a carapuça. Este post não tem por objetivo dar indiretas, alfinetar ninguém ou expurgar raiva. Na verdade, seu propósito é reflexivo mesmo. Já aconteceu na minha própria família. Em algum momento preciso de ajuda e ninguém pode ajudar pois todos têm suas devidas vidas e compromissos. Aí, quando elogio os outros, que largaram tudo para me estender a mão, sou a mal-educada, a “difícil”. Vem cá, falei de você, por acaso?
Essa semana, outra vez, levei outro golpe. Mais uma vez, de onde menos esperava. Engraçado que cada um faz o que tem vontade. Nunca me ofendi com nada e nem vem ao caso citar cada situação já que o blog não é para isso, porque sempre procurei entender os motivos das pessoas e preservar o direito delas de gostar ou não de mim.

Mas fico triste em saber que muita gente nunca quis me conhecer de verdade. Gente que convive comigo há muitos anos e tem definições completamente equivocadas a meu respeito.

Aí, fico pensando se vale a pena conversar, tentar explicar, desfazer o mal-entendido. Será que alguém que já se encontra convencido de que sou mau-caráter tipo Carminha vai mudar de ideia só porque eu disse que não é desse jeito? Será que quem teve tantos anos e chances para me conhecer (alguns, a vida toda), vai agora se abrir de verdade?

Realmente não sei. A impressão que tenho é que todas as vezes que relaxo, tenho uma adaga cravada em minhas costas. As pessoas dizem fazer as coisas por amor mas, que amor é esse cheio de condições? Se você não faz o que eu acho certo, tá cortado! As pessoas falam em Cristo, em Deus, oram todos os dias mas, esquecem de prestar atenção no que diz a oração:

Perdoai as nossas ofensas
Assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido

Queridos amigos (ou não), não pensem que estou depressiva ou sofrendo, ou com raiva. Dói sim mas, minhas dores eu curo cantando aos berros dentro do carro e chorando quando ela transborda. Em poucos dias, tudo volta ao normal, ou quase. Mas uma coisa é certa: a vida é um manancial de bençãos, com alguns probleminhas salpicados no meio. Depois de tudo isso processado, vou achar uma solução.

Vou terminar com a música O Mundo, do Capital Inicial, que descreve bem o momento.

Você que já esteve no céu
Foi tudo divertido pra você
Chega a hora então
De provar tudo que existe
Tire agora os sapatos
Jogue tudo pro alto
Sinta o chão
Aprender a andar descalço
Num mundo de asfalto
E sem coração
Até que o mundo gire ao seu redor...

Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu

Obrigado por passar
Mas estou de saída
Tem alguma coisa nova pra fazer
Vamos lá então
Ter um dia diferente
Eu só quero curtir
Ficar à toa, viver numa boa
E você quer respostas
Exige provas e músicas novas
Até que o mundo gire ao seu redor...

Vão falar que você não é nada
Vão falar que você não tem casa
Vão falar que você não merece
Que anda bebendo, está perdido
E não importa o que você dissesse
Você seria desmentido
Vou falar que você usa drogas
E diz coisas sem sentido
Se eu for ligar
Para o que é que vão falar
Não faço nada...

Eu procuro tentar entender
Porque eu sou
Tão importante prá você
Já que é bem melhor
Ser importante prá si mesmo
Eu não quero mudar
Ser mais discreto
Ser mais esperto
Já cansei de propostas
Dar respostas
E ter que dar certo
Até que o mundo gire ao meu redor....

Vão falar que você não é nada
Vão falar que você não tem casa
Vão falar que você não merece
Que anda bebendo e está perdido
E não importa o que você dissesse
Você seria desmentido
Vou falar que você usa drogas
E diz coisas sem sentido
Se eu for ligar
Por que é que vão falar
Não faço nada...

Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu

Vão falar que você não é nada
Vão falar que você não tem casa
Vão falar que você não merece
Que anda bebendo, está perdido
E não importa o que você dissesse
Você seria desmentido
Vão falar que você usa drogas
E diz coisas sem sentido
Se eu for ligar
Por que é que vão falar
Não faço nada...

Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu
Thuruthu, thuruthu


sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Não descarte, encaminhe!

Oi pessoal!

Demorou mas cá estou eu com a novidade da hora aqui em casa. Depois de meses de desejo, finalmente implantamos a separação de resíduos.

Hoje separamos e encaminhamos os seguintes materiais:
  • Papel
  • Metal
  • Vidro
  • Plásticos
  • Caixas tetra-pack
  • Pilhas
  • Medicamentos


Não é fácil numa cidade onde não há coleta seletiva mas, nos esforçamos para fazer o melhor e, fazemos assim:
Papel, metal, plástico, pilhas e medicamentos são enviados para o TCE-MT que recolhe e encaminha os resíduos. 
O vidro eu levo no Hipermercado Extra, que tem ponto de coleta. As caixas tetra pack estou separando para fazer uma casinha de bonecas para as meninas. Mas, há uma cooperativa na cidade onde eu levava antes de resolver juntar.

Para quem tem espaço, vale a pena. É só lavar o material quando lava a louça e armazenar. Aqui, em uma semana lotamos as latas de papel e plástico. É assombrosa a quantidade de lixo que jogamos fora sem nem perceber.

Meu irmão me mandou um vídeo inspirador. O palestrante é o presidente da empresa em que meu irmão trabalha. Aliás, para quem mora em Floripa, vale a pena entrar no site: http://www.novociclo.com.br
Quem não mora em Floripa, pode procurar na sua cidade algo parecido, né?




Em cima das latas imprimi umas etiquetas que dizem o que fica em cada lata e o que é ou não reciclável. O arquivo é esse aqui:

O custo que tive foi de R$60,00 para comprar as 3 latas de 60L. 

Que tal começar a separar os resíduos aí na sua casa? Quem já separa, levanta a mão!

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Verás que um filho teu não foge à luta!



Pela primeira vez em muitos anos, sinto-me hoje com vontade de comemorar o 7 de Setembro. Sempre fui patriota, apesar de até meus pais viverem dizendo que o Brasil não tem jeito.

Acredito que se eu fizer minha parte e ensinar minhas filhas a fazerem a delas, estarei deixando um Brasil melhor para as próximas gerações.

Não adianta eu sentar na minha cadeira e ficar dizendo que já trabalho e pago impostos, que não vou fazer trabalho voluntário porque o governo deveria ajudar essas pessoas. Não adianta e falar que nenhum político presta e que vou votar nulo.

Tem que vestir a camisa verde e amarela fora dos jogos de futebol. Vestir a camisa no sentido de lutar pelo Brasil. Ao invés de torcer pela seleção durante duas horas, gaste essas duas horas trabalhando em favor do seu país, sua pátria.

Sim, o país está cheio de sangue-sugas, aloprados, mensaleiros, Valérios e Cachoeiras e outros sem-vergonhas mas, esse ano tivemos duas grandes vitórias. Haverá quem leia isso e diga: "grande coisa, e daí" mas, para mim, é um sinal de que, embora lentamente, as coisas estão caminhando na direção de um lugar melhor para nossos filhos e netos.

Nesse Sete de Setembro, comemoremos a condenação dos réus do mensalão e a lei da Ficha Limpa em vigor nas eleições.


Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Renata Bermnudez Konzen enviou-lhe o seguinte abaixo-assinado.

Meus Amigos,

Acabei de ler e assinar este abaixo-assinado online:

«Não à Gazeta do Povo: não sustento quem me ofende!»

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N28388

Eu concordo com este abaixo-assinado e acho que também concordaras.

Assina o abaixo-assinado aqui http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N28388 e divulga-o por teus contatos.

Obrigado.
Renata Bermnudez Konzen

Esta mensagem foi enviada por Renata Bermnudez Konzen (renatabermudez@gmail.com), através do serviço http://www.peticaopublica.com.br em relação ao abaixo-assinado http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N28388

domingo, 2 de setembro de 2012

Marlon Konzen enviou-lhe o seguinte abaixo-assinado.

Meus Amigos,

Acabei de ler e assinar este abaixo-assinado online:

«Não à Gazeta do Povo: não sustento quem me ofende!»

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N28388

Eu concordo com este abaixo-assinado e acho que também concordaras.

Assina o abaixo-assinado aqui http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N28388 e divulga-o por teus contatos.

Obrigado.
Marlon Konzen

Esta mensagem foi enviada por Marlon Konzen (marlon.konzen@gmail.com), através do serviço http://www.peticaopublica.com.br em relação ao abaixo-assinado http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N28388